quarta-feira, 10 de julho de 2013

Preço das casas sobe pela primeira vez em dois anos

Os dados do índice Confidencial Imobiliário revelam subida de 0,4% entre Abril e Maio deste ano.
Pela primeira vez desde Agosto de 2010 o preço de venda das casas registou uma subida, em termos mensais. De Abril para Maio houve um aumento de 0,4%, revela o índice Confidencial Imobiliário, citado pela agência Lusa.
Ainda de acordo com este índice, que agrega informação de mais de 1.400 empresas, a subida ocorreu tanto entre casas novas - onde o aumento foi de 0,3% - quer nas usadas, com uma valorização de 0,4%.
No entanto, em termos homólogos, mantém-se a tendência de de descida, embora menos acentuadas face aos restantes meses de 2012.
Nas habitações novas, registou-se uma queda homóloga de 3,1%. Enquanto nas usadas a quebra foi de 3,2%.

Miguel Poisson: "Esta é a melhor altura dos últimos 15 anos para investir no imobiliário"

"Muitos investidores, confrontados com taxas de juros de depósitos a prazo muito baixas, optaram por investir no imobiliário para arrendar, retirando daqui uma rentabilidade anual de mais do dobro da dos depósitos a prazo", diz Miguel Poisson, director-geral da ERA.

fonte

quinta-feira, 27 de junho de 2013

10 maneiras para vender a casa

O mercado imobiliário português tem vindo a registar uma descida contínua e são cada vez mais as casas entregues à banca. De maneira a combater esta realidade, as mediadoras começam a apostar em “promoções”, através do lançamento de novos pacotes de serviços. No entanto a promoção e qualificação das casas não compete unicamente às agências imobiliárias, os próprios donos do imóvel podem realizar melhorias que facilitem a venda deste.

1. A luminosidade da casa é muito importante no primeiro impacto. As divisões da casa devem estar pintadas com cores neutras e não cores berrantes que poderão causar confusão no comprador. A utilização de cores neutras permite uma melhor iluminação, fazendo transparecer uma maior sensação de limpeza e faz, ainda, com que os espaços pareçam maiores. As cores fortes acabam também por ser importantes, mas neste caso estas devem ser aplicadas em itens de decoração que contrastem com a cor das paredes, de maneira a criarem um efeito positivo.

2. Os armários devem ser organizados, para demonstrar a quantidade de espaço de arrumação que a casa tem.

3. Toda a mobília que tiver a mais deve ser retirada, para as divisões parecerem mais espaçosas.

4. A casa deve ser toda bem limpa, incluindo os odores próprios de uma vivência diária, como por exemplo o cheiro do tabaco, de comida ou mesmo o cheiro característico de uma casa desabitada. De maneira a lutar contra estes e outros odores, deixe as janelas abertas para circular o ar. No dia em que receber possíveis interessados acenda um incenso ou uma vela perfumada para tornar a casa mais agradável e atrativa.

5. A casa não deve estar personalizada, visto que as suas preferências podem afastar as pessoas que não partilhem dos mesmos gostos. Assim, se o imóvel estiver descaracterizado este terá mais hipóteses de agradar aos compradores. Molduras com fotografia, troféus, brinquedos e outros objetos devem ser retirados.

6. As janelas e as persianas devem estar abertas para revelar a luz que beneficie a casa e destaque outros aspetos que a valorizem (jardim, vista, localização, acessos, serviços).

7. A internet é, atualmente, um dos meios mais importantes para a divulgação de imóveis, por isso quando tirar fotos deve optar pelos ângulos diagonais, que ampliam a sensação de espaço das divisões.

8. Por vezes é necessária uma remodelação, tendo em atenção que os custos não deverão ultrapassar 1,5% do valor da venda. Também é necessário ter um certo cuidado com os fios à mostra, tinta a descascar, bem como, portas e persianas que não fechem.

9. É importante atualizar os eletrodomésticos e os armários da cozinha, de maneira a darem um ar moderno e de qualidade a esta divisão.

10. Em caso de terem existido alterações ao formato original da casa, como por exemplo a transformação de um quarto em escritório, essas alterações devem ser corrigidas e o imóvel deve voltar ao seu formato original, visto que o comprador está interessado na casa como foi inicialmente concebida.
"Muitas vezes são estes pequenos pormenores que podem fazer a diferença entre vender ou não vender o imóvel"

fonte casa sapo

quinta-feira, 28 de março de 2013

retoma do mercado imobiliário pode acontecer ainda este ano


preços de venda dos imóveis estão cada vez mais ajustados à realidade", refere consultora
necessidade de liquidez dos proprietários, os ajustes de preços e as alterações legais e fiscais podem animar o mercado imobiliário este ano, concluiu o relatório “mercado imobiliário 2012 – perspectivas 2013”, da consultora jones lang lasalle (jll). “a maior flexibilidade dos proprietários, que muitas vezes necessitam de obter maior liquidez, e algumas alterações legais e fiscais de relevo são factores que podem aumentar a procura pelo imobiliário português já em 2013", lê-se no documento
de acordo com o expresso, que se apoia no documento, “os preços de venda dos imóveisportugueses estão cada vez mais ajustados à realidade do mercado”. comparativamente com o ano passado, a jll prevê que se devem manter os baixos níveis na actividade de ocupação imobiliária nos escritórios e centros comerciais, já que “promotores, ocupantes e retalhistas” continuam “muito cautelosos nas suas decisões”

2013, O ano ideal para comprar casa e investir no arrendamento


especialistas entendem que em tempos de crise é possível fazer bons negócios
o facto de os bancos estarem a cortar na concessão de crédito à habitação, dificultando as condições de acesso dos empréstimos, não significa que esta seja uma altura má para comprar casa. pelo contrário. o mesmo se pode dizer no que diz respeito à aposta no mercado de arrendamento. “nunca é nos picos do mercado ou no fundo do ciclo que se fazem os grandes negócios. estamos claramente na ‘zona segura de investimento’ que irá estabilizar progressivamente o mercado”, considera ricardo sousa, director-geral da century 21
segundo o responsável, esta é a melhor altura para comprar casa ou investir no mercado imobiliário. “todos caímos na mesma armadilha de raciocínio. se o mercado está em alta, acreditamos que o preço vai continuar a subir e compramos. quando o mercado está em baixa, acreditamos que o preço vai continuar a baixar e não compramos...a verdade é que ninguém, muito menos nos dias de hoje, pode prever as alterações de ciclo económico e imobiliário”, adianta, citado pelo jornal i
menos optimista está luís lima, presidente da associação dos profissionais e empresas de mediação imobiliária de portugal (apemip), que prevê que este ano será difícil para todos os sectores, incluindo o imobiliário: “no mercado de compra e venda, deverá continuar a haver procura e oferta, mas a maior parte da procura interna continuará a ter dificuldades em ter acesso ao crédito à habitação e a ter receio de avançar com a compra de um imóvel num período em que a instabilidade laboral é tão grande”
perante esta situação, assegura luís lima, a procura pelo mercado de arrendamento tende aaumentar ainda mais. “há esperança de que as novas condições possam ajudar a dinamizar esta área de negócios [arrendamento], que tem fortes potencialidades para cativar o investimento externo, o que se torna fundamental para o mercado de reabilitação urbana e para o turismo residencial”, conta, salientando que para haver “uma verdadeira dinamização deste mercado, será necessário baixar os preços dos chamados arrendamentos novos, para valores competitivos face aos de uma prestação bancária de um crédito” à habitação



segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Calcule o aumento máximo dos contratos de arrendamento anteriores a 1990


A Deco disponbiliza, a partir de hoje, um simulador na sua página que permite calcular o aumento máximo para as rendas dos contratos anteriores a 1990.
No simulador disponibilizado pela associação de defesa dos consumidores tanto os inquilinos como os senhorios podem saber qual o limite máximo a cobrar pela renda. 
Se, no fim, não houver acordo, ainda fica a saber qual a indemnização a pagar ao inquilino e o prazo de que este dispõe para abandonar a casa. 
Embora a lei tenha entrado em vigor em novembro, do ano passado, só no início deste ano foi regulamentada. Desde então, a associação de defesa dos consumidores já recebeu 1200 pedidos de ajuda e informação sobre o arrendamento.
"As regras agora publicadas definem, por exemplo, como é apurado o rendimento anual bruto corrigido (RABC), essencial para determinar a renda máxima de inquilinos com 65 anos ou mais, grau de incapacidade superior a 60% ou carência económica. Contudo, a complexidade dos cálculos e da própria lei têm suscitado muitas dúvidas", adianta a Deco em comunicado.